Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Cai Neve nos Morangos

por pintolaranja, em 30.03.11

É uma boa coisa para se fazer quando começa e fazer sol neste nosso país.

Eu pessoalmente adoro morangos de toda a maneira e feitio, mas julgo que os morangos com natas (ou natas com morangos...) são a minha versão favorita.

No entanto, não gosto simplesmente de juntar natas doces à fruta e ficar-me por aí.

 

Costumo arranjá-los cortando-os aos pedaços, depois misturo açúcar amarelo (de preferência mistura de 3 açúcares diferentes) em quantidade não excessiva e com um pouco de sumo de lima e limão. Deixo esta mistura bem envolvida a macerar e toca de ir bater as natas.

 

Quando as natas estão no ponto (sem açúcar adicionado ou qualquer outro ingrediente) misturo-as com os morangos que maceraram no açúcar e sumo de lima e limão levando de seguida ao frigorífico.

 

E pronto, passadas umas horitas está uma sobremesa DAQUELAS 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

"La Piovra" - Episódio II

por pintolaranja, em 30.03.11

A desvantagem de ter de cozinhar para uma pessoa é que quase sempre sobra alguma coisa.

Sobrou polvo e após 2 ou 3 refeições já estava pronta para comer polvo novamente.

 

Assim sendo, ontem resolvi começar por cozer o resto do polvo enquanto fazia um belo refogado. Não deixem cozer muito o polvo, depois tem de ir ao lume outra vez e fica muito mole se assim for.

 

Para variar não sigo a receita do arroz de polvo malandrinho à risca... Cá vai disto:

  • 1 cebola picada
  • 2 dentes de alho picados
  • 1 folha de louro
  • azeite
  • sal
  • paprika
  • pimenta branca
  • pimenta de caiena
  • malagueta seca (2)

Deixar alourar e juntar tomate picado, um pouco de polpa de tomate para dar cor e 1 cálice de vinho branco.

Cozinhar o tomate, apurar e depois juntar o arroz.

Após uns 2 minutos, juntar a água de cozer o polvo, mexer bem e tapar o tacho.

 

Quando o arroz estiver meio cozido, juntar o polvo cortado aos pedaços.

Não precisam de deixar o lume aceso até estar tudo cozinhado. Quando o arroz estiver praticamente cozido apaguem o lume e deitem um pouco de coentro fresco picadinho por cima.

 

Esperar 5 minutinhos para apurar o tempero todo e pronto, um arroz de polvo à maneira!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Nas Malhas do Polvo

por pintolaranja, em 29.03.11

Há que tempos andava com umas ganas de mascar um polvo grelhadinho, este fim de semana não me escapou. Estava com receio que fosse mesmo mascar, porque dependendo de como for cozinhado o bicho pode ficar que nem pastilha elástica, felizmente não foi o caso :)

 

Exceptuando o tempo que leva a cozinhar e o facto de estar sempre a apagar as brasas com a água que lá vai espichando, é do mais pacífico que há para se fazer. Assa-se o polvo, depois tempera-se com azeite, alho e coentro picadinho.

 

O que fiz aqui foi passar as batatas cozidas por azeite quente com o alho esmagado lá dentro para lhes dar um pouco do mesmo sabor. Reguei o polvo com esse mesmo azeite e só no fim lhe coloquei o coentro fresquinho e picado por cima.

 

Bom apetite!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Dança da Coxinha

por pintolaranja, em 24.03.11

Coxa de frango pode ser comida de muita maneira e feitio.

Desta vez, façamo-las dançar numa molhenga de tomate com esparguete.

 

Muito simples improvisar um refogado com cebola picada, 1 dentinho de alho, paprika, louro, sal, 1 knorr de galinha, azeite, MALAGUETA.... e tomate maduro ou então podem também usar polpa e/ou tomate pelado (em alternativa ou como complemento).

 

Quando está bem refogadinho, coloquem as coxinhas já devidamente depiladas e golpeadas lá para dentro. Tapem e em lume brando deixem-nas cozinhar um pouco assim mesmo, misturem apenas. Depois, juntar água q.b. e deixar cozinhar durante uns bons 40 minutos em lume brando.

 

Juntar esparguete a gosto e quando estiver já a caminhar para o ponto "al dente" apagar o lume e deixar tudo apurar.

 

Prontinho a comer!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Suspirinhos do Best

por pintolaranja, em 23.03.11

Ontem vi um post do José Besteiro no seu blog "Da Cozinha" que tenho seguido atentamente e decidi que tinha de experimentar esta delícia.

Pena que não tinha formas para queques, mas decisão é decisão e portanto antes de chegar a casa tive de ir comprar formas.

 

Comprei meia dúzia, confesso que nem vi para quantos queques estava destinada a receita. Obviamente que meia dúzia foram poucas e portanto tive de improvisar 

 

Como poderão ver pela foto, tive de usar uns pirexes algo gigantes para o efeito que se pretendia, mas não ia desperdiçar a massa, né?

 

Também não segui a receita à risca. Coloquei apenas 1 chávena de açúcar porque o chocolate em pó que tinha em casa já era doce. E quanto super-mega-queque acabei por o cortar ao meio depois de desenformar e espetei-lhe com um recheio que fiz à base de leite, chocolate preto e chocolate branco derretidos juntando uma pequena noz de manteiga só para dar uma consistência mais elástica ao creme. Depois de besuntar o queque gitante... meti umas nozes partidinhas lá no meio também e juntei a sandoca toda.

 

E pronto, o efeito é o que vêm, ficaram fofos, deliciosos e com um cálice de vinho do Porto fizeram uma bela sobremesa!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ovos mexidos com espargos (ou vice-versa)

por pintolaranja, em 22.03.11

É algo que gosto muito mas nunca tinha feito.

A questão é que eu gosto mesmo é de espargos com ovos mexidos, não  de ovos mexidos com espargos (ou não tanto). Da mesma maneira que muitas vezes gosto de queijo com pão e não de pão com queijo 

 

Vai daí que agarrei num molho de espargos, dei-lhes uma fervura e depois chop-chop! Cortei os ditos às rodelas (tirei a parte rija do talo, claro está). Espetei com as rodelas num fio de azeite com alho esmagado lá para dentro e uma pitada de sal e toca de os saltear.

 

Não sou tão adepta de nesta comida meter o presunto ou outro tipo de ingrediente que desvia do sabor do espargo, embora seja mais típico em algumas regiões.

 

Assim sendo, KISS (keep it short and simple). A seguir só bati uns ovinhos e toca de os cozinhar numa frigideira untada, juntando-lhes uma quantidade jeitosa de espargos salteados para satisfazer a minha preferência 

 

Bom apetite!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Com o Verão no Coração

por pintolaranja, em 22.03.11

É assim que uma pessoa se dedica a fazer saladinhas de fruta tropical. Serve de inspiração para tempos melhores durante este chorrilho de aguaceiros e afins logo no início de uma primavera que tinha começado tão risonha :)

 

Agarrem numa papaia madurinha ou então num bom naco de mamão (papaia em versão gigante) e depois de descascada e sem sementes cortem a fruta aos cubos.

 

Juntem-lhe sumo de 1 lima e meio limão.

 

Depois, açúcar a gosto. Eu costumo usar uma mistura de 3 açúcares amarelos diferentes: meia colher de sopa de açúcar mascavado, uma colher de sopa de açúcar amarelo granulado e outra do típico açúcar amarelo que vemos nos supermercados em mais quantidade.

 

Mexer tudo muito bem e deixar a macerar. Depois da refeição... está pronto a comer!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Rilhar na Moela

por pintolaranja, em 22.03.11

Eu cá gosto mesmo é dos petiscos tugas, por isso não estranhem se os virem publicados em grande quantidade por este blog fora 

 

Um dos que gosto mais são moelas e ao contrário da famosa tomatada gosto mais delas com molhenga de manteiga. Vi-as confeccionadas assim algures no tempo e um dia pus-me a experimentar mesmo sem ter visto receita nenhuma. Fica muito bom, pelo que sugiro que experimentem e me venham depois dar a vossa opinião. Preciso de críticas!

 

Então a história reza assim: limpar bem as moelas para tirar qualquer vestígio daquela porcaria que as rodeia. Costumo fazer isto raspando-as com uma faca e tirando os pedaços de gordura a mais também. Depois, encho-as de sal e esfrego-as umas nas outras como se estivesse a lavar um trapo. Acreditem que resulta, o sal tira o resto da "nhanha". Passam-nas bem por água e pumba, para o tacho com elas.

 

Juntem 2 dentes de alho esmagados, uma pitada de sal, malaguetas a gosto (prefiro das frescas, já sabem) e água para as cobrir. Coloca-se ao lume e quando levantar fervura tirem a espuma que se gera e deitem fora. Deixem cozer (é normal ir ficando com pouca água, quer-se mesmo assim) em lume brando. Vai demorar uma boa meia hora.

 

Quando estão praticamente cozinhadas, junta-se um pouco de manteiga (ou margarina vegetal) para fazer uma molhenga mais consistente com a pouca água que resta.

 

E pronto, aptas a rilhar no meio dos dentes com uma jola fresca e uns pedaços de pão (que também pode ser torrado)!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Para Acamar

por pintolaranja, em 21.03.11

Uma sopinha quente dá sempre jeito. Para acalmar o apetite, para acamar a tosta, para usar quando se tem preguiça de cozinhar mais alguma coisa... e ainda assim comer algo saudável.

 

Uma das que mais gosto é a de feijão verde. Muita coisa pode variar na base, esta por exemplo tem um pouco menos de batata e levou abóbora, mas o resto é muito do que já costumo usar: tomate, cebola, 1 dente de alho, azeite, sal...

 

Depois de tudo cozido e bem passadinho, juntar o feijão verde cortadinho e deixar cozinhar mais uns minutinhos. Voilá! Toca a manjar 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Por Morrer um Bacalhau não acaba a Primavera

por pintolaranja, em 21.03.11

O tempo está a mudar, entrámos numa nova estação.

Agora começa tudo a preparar-se para o Verão enquanto goza os prazeres dos primeiros raios de sol do ano. As banhocas ganhas no inverno que são extremamente úteis na conservação da temperatura corporal começam agora a ser incomodativas e a estragar os prospectos de férias com a pele ao léu a muita gente 

 

No entanto, o tempo convida a petiscadas. Vamos fazer uma petiscada light, nesse caso. Uma bela salada de ovas de bacalhau!

 

Ainda na onda de que um tuga não vive sem este peixinho tão saboroso, aproveitem para comprar umas ovas de bacalhau assim bem laranjinhas. É só cozer com água e sal q.b. e deixar arrefecer (fora da água).

Depois, cortem-nas aos pedaços, temperem com cebola picada, alho picado, azeite e vinagre a gosto. Deixem apurar o tempero (de preferência no frigorífico para ficarem bem fresquinhas) e depois é só servir e desfrutar. Uma delícia!

 

E se engordarem... a culpa não é do bacalhau! A primavera continua e as tentativas de embelezar até ao verão também 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/3



Translate the goodness



Calendário

Março 2011

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Cozinhados Antigos

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D






subscrever feeds